MS 40 Anos: O que começou com fazendas, hoje é a Três Lagoas das inúmeras indústrias

Quarta, 11 Outubro 2017 09:12 Publicado em Três Lagoas

Localizada em uma porção privilegiada das terras sul-mato-grossenses

Das fazendas formadas junto a águas abundantes no final do século 19, Três Lagoas é hoje um dos mais importantes polos industriais do Brasil, com potencial de expansão. É uma cidade sul-mato-grossense com ares paulistas. Conta 117.477 habitantes, conforme a estimativa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para 2017, mas, este número não reflete necessariamente a quantidade de pessoas vivendo na cidade: a construção e montagem de indústrias pode aumentar a população em até 15 mil.



No extremo leste do Estado, na divisa com São Paulo, Três Lagoas, que fica a 338 quilômetros da Capital, mas é para o interior de São Paulo que a maioria se dirige para compras e diversão.

E localizada em uma porção privilegiada das terras sul-mato-grossenses. A presença dos rios Paraná, Verde e Sucuriú, que favoreceu o estabelecimento povoado que se tornaria município em 1915, compõem a logística oferecida pela região, que é uma das características que atraem as indústrias.

“Na logística temos rodovia, ferrovia, hidrovia e aeroporto. Temos um potencial energético privilegiado, que poucas cidades tem. Temos usina hidrelétrica, termelétrica, gasoduto, usina de biomassa, e está sendo estudada a construção de usina fotovoltaica. Nosso complexo de energia e logística é um complexo que raríssimas cidades do Brasil tem
e estamos a 660 km do maior centro consumidor que o país tem”.

Estes foram os atrativos elencados por Antônio Luiz Teixeira Empke Júnior, secretário de Desenvolvimento Econômico do município, quando a reportagem do Midiamax esteve em Três Lagoas, há poucas semanas. 

Carro chefe de Três Lagoas

Como esperado, é das indústrias que vem a maior arrecadação da cidade. Dados compilados pela atual Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) dão conta de que a cidade possuía 500 indústrias em 2015. 

Destas, 94 são relacionadas a construção, demonstrando que tudo gira em torno do estabelecimento de indústrias na cidade. Sejam as gigantes da celulose Eldorado, Fibria e International Paper, ou as não menores, Cargill (produtora de biodisel), Sitrel Votorantim (siderúrgica), Metalfrio (fabricante de freezers comerciais), Bemis (fabricante de embalagens plásticas), Klin e Kid (fabricantes de calçados), além das diversas outras que envolvem metalurgia, vestuário e calçados, produtos alimentícios e minerais.

“As indústrias impactam de forma aguda no crescimento de Três Lagoas. Durante a construção da segunda linha de produção da Fibria, tinha mais de 15 mil trabalhadores envolvidos”, declara Antônio Luiz, sendo que, segundo ele, quase 50% vem de outros estados, principalmente da região nordeste, que vivem em grandes alojamentos espalhados pela cidade. 

Antônio Luiz ainda cita números que mostram o crescimento da cidade. “Três Lagoas teve crescimentos agudos que poucas cidades do Brasil tiveram. Saltamos de 87 mil habitantes em 2009 pra 117 mil em 2017, e mais 15 mil flutuantes, conforme SUAS (Sistema Único de Assistência Social) e SUS (Sistema Único de Saúde). Tínhamos frota de 27 mil veículos há 12 anos, hoje ultrapassa os 81 mil. O orçamento saltou de R$ 65 milhões de reais em 2005 para R$ 495 milhões em 2016”.

Turismo incipiente

Tentando diversificar a economia, o município aposta também, mesmo que timidamente, no turismo. “Somos considerados a ‘cidade das águas’. Temos água em abundância. Estamos sobre o aquífero, Temos o rio Verde, o Paraná e o Sucuriú, onde há um balneário público. Estamos fazendo um levantamento para saber como fomentar o turismo, não só o ecológico, mas também o de negócio, saúde e educacional”, diz Antônio Luiz. 

Cartão postal

Para finalizar, não há como esquecer as três lagoas, que deram o nome à cidade. A Lagoa Maior, que fica na região central e é o cartão postal do município, está completamente urbanizada, com iluminação e pista de caminhada. Mesmo assim, é habitada por capivaras, diversas espécies de aves e até jacarés. As outras duas lagoas são de difícil acesso. 

“A intenção é fazer intervenção mínima nas outras duas lagoas e não ficará nos moldes da Lagoa Maior. Existem alguns projetos de ações nas lagoas na questão de preservação e recomposição de árvores nativas”, diz Celso Yamaguti, secretário de Meio Ambiente do município.

Especial

Durante esta semana em que é comemorado o aniversário de 40 anos de Mato Grosso do Sul, abordaremos estes e outros assuntos mais detalhadamente. Além da região leste, equipes estiveram no oeste, norte e sul do Estado para a produção de um material especial para esta data.

 

fonte: MidiaMax

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.